‘Fiz as pazes com a vulnerabilidade’: Karol Conká lança o novo álbum ‘Urucum’

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
OUÇA!

Em fevereiro de 2021, Karol Conká era eliminada do “Big Brother Brasil” com uma rejeição recorde. Fora do programa, encontrou o julgamento implacável, o ódio e a agressividade de milhões de pessoas por sua conduta no jogo.

O caminho que encontrou para enfrentar tudo — seus próprios demônios, os demônios de seus haters — foi o mesmo ao qual recorre desde menina: a música. Dois meses depois da eliminação, em abril, entrou em estúdio com o produtor Rafa Dias (RDD, do ÀTTOOXXÁ) e preparou as canções que agora aparecem reunidas em seu quarto álbum, “Urucum” (Sony Music).

— Naquele momento o que eu tinha? A minha minha música, a minha verdade — lembra a rapper. — Precisava entender porque eu me coloquei naquela situação e o que precisava para sair dela. Mergulhei na verdade. Era muita dor, muita angústia, porque eu cheguei a acreditar no que a mídia e as redes sociais diziam de mim. Mas essas canções, assim como a terapia, me trouxeram pro real, pro que eu sou. O álbum reflete esse recolhimento, esse processo de cura. Consegui fazer as pazes com a vulnerabilidade. Porque cresci pensando: “Sou mulher preta, não posso ser vulnerável”.

Crédito: Jonathan Wolpert

Ao longo das 11 faixas de “Urucum”, Karol expõe o que viu ao olhar para dentro de si — mas também para dentro das engrenagens da máquina de ódio que se ergueu fora dela. Sem rancor, sem autocomiseração, sem vingança. No lugar desses sentimentos menores, a potência afirmativa de quem se sabe viva — potência que vibra nos versos papo reto e nos beats de calor baiano de RDD.

Tudo isso fica evidente já nos primeiros segundos do disco, com o toque de berimbau sintetizado que abre o caminho para “Fuzuê” e seus versos anunciando a chegada firme e incendiária: “Já vai começar o fuzuê/ Então eu vou deixar inflamar”. Noutro momento da canção, ela desafia: “Ei, cê fala com quem?/ Tem medo de que?”. A temperatura aumenta  em torno do berimbau metalizado, na combustão da eletrônica de gueto, Áfricas e Brasis em suas esquinas do século XXI — som de preto, enfim.

— Minha avó era baiana, sempre me senti conectada com a Bahia. Há muito tempo tinha vontade de trabalhar com um produtor baiano, e especialmente com o Rafa — conta Karol. — A gente já conhecia o trabalho um do outro, a afinidade foi imediata. Muitas músicas eu fiz a letra na hora, improvisando sobre o que ele me mostrava. 

“Se sai” brinca com a baianidade da expressão (algo como “vá embora”) pra poder falar sério sobre a crueldade leviana de quem julga. Sobre atabaques sintetizados, Karol canta, voz de rua: “Quem nunca erra/ Sempre tá por cima/ E quem tá por cima/ Finge que não erra”.  

Da voz de rua pra voz da consciência, Karol explora outras nuances de seu canto em “Mal nenhum”, faixa seguinte — o álbum todo, aliás, amplia as possibilidades vocais da cantora, que a cada canção parece investigar um novo terreno. “Mal nenhum” trata do autoconhecimento pra entender o que é sua carga e o que não: “Não é sobre mim/ Toda essa amargurara aê”. Novamente, ela se afirma (“Por onde eu ando/ Batucada bate até de manhã”) e desafia (“Por onde eu ando/ Eu nunca te vi lá”).

“Cê num pode”, sobre triângulo e tambores tensos, é ainda mais contundente na marra (“Essa já é o lado Mamacita”, brinca Karol). Resposta dedo-na-cara ao cancelamento, em meio a versos como “Eu vou botar pressão” e “Sou foda, pode admitir”, Karol crava: “Comigo cê num pode, não”.

Crédito: Jonathan Wolpert

Se “Cê num pode” era recado de beat nervoso aos haters, “Calma” é conversa da Karol tranquila pós-BBB com a Karol 220 volts mostrada no programa. “Essa traz o lado Karoline, zen, dos cristais”, explica. Nos versos, ela imagina um cenário tropical que se reflete na base de RDD: “Pé na terra um banho de rio/ De manhã suco de cupuaçu/ Olhando o céu azul/ Sinto o vento soprando/ Secando o corpo nu”. “Eu tô de boa”, ela chega a cantar.

Acordeon arrocha e Daft Punk se encontram em “Vejo bem”, canção sobre saber olhar suas experiências e crescer a partir delas. Já “Sossego”, que põe tamborzão de boca pra conversar com um dedilhado grave de violão, combina melancolia e assertividade de quem quer seguir em frente. A letra cruza existencialismo e ostentação (“Empilhando meu dinheiro/ Viajando o mundo inteiro”). Karol a classifica, de onda, como um “emo-trap-funk”. 

“Slow” é o respiro de sensualidade de “Urucum” — respiro grave, cheio de ar, meio suspiro meio gemido. “Música de pegação”, como Karol define a canção que rima “Ouvindo um Frank Ocean” com “Roupas largadas no chão”. “Por inteira” mantém o clima, mas agora mais romance. “Eu tô por inteira/ A semana inteira”, diz a letra.

Num disco que nasce da experiência de Karol no “Big Brother Brasil”, “Por inteira” é exceção. Ela é uma das três canções de “Urucum” feitas antes do programa. A segunda é “Subida”, composta no fim de 2020, quando não se imaginava o que seria a participação da cantora no programa. Portanto, sua letra soa quase premonitória em versos como “A vida ensina/ Atente aos sinais” ou “Eu vejo muitos/ Se contradizendo/ Enquanto se perdem por likes/ Colecionadores de dislikes”.

A terceira música composta antes do “BBB” é “Louca e sagaz”, única do disco com produção de WC No Beat. Última faixa do álbum, ela faz uma ponte entre a Karol pré-BBB (presente nos versos desencanados de qualquer trauma, como “Sessão de hipnose com a minha raba”) e a Karol que virá (quando o ódio não for mais um assunto quente para ela). Até porque a essência se mantém: o equilíbrio entre loucura e sagacidade, que o tempo só faz refinar. 

Ouça:

Assista:

Equipe Prêmio Jovem

Equipe Prêmio Jovem

A maior premiação jovem do mundo!

deixe seu comentário!

CADASTRE-SE ABAIXO

    Skip to content ...